Arquivo de março, 2011


Infelizmente, vejo os irmãos buscando mais os profetas que o próprio Deus, e os “profetas” deixando isso acontecer. Irmãos tornaram-se mais dependentes dos “profetas” que de Deus.

A consequência disto tudo é o vazio espiritual, é a permanência no deserto. Eis o título deste texto: onde estão os profetas que pregavam no deserto? O deserto continua lá… Onde estão os profetas que vinham para lembrar a todos que é preciso buscar o reino de Deus acima de tudo? Que é preciso ter conhecimento da Palavra de Deus e ser fiel a Ele? Que vinham para serem usados por Deus para restaurar o espírito santo no meio do seu povo e afastar a idolatria, iniquidade e injustiça quando os homens não se lembravam mais do seu Senhor.

Parece-me que ultimamente estes profetas têm agido como “Lombardi”, fazendo de Deus um “Sílvio Santos”. Eles só falam nos prêmios materiais que o patrão poder dar. E o reino, e o espírito, como ficam?

Será que a famigerada Teologia da “Prosperidade” seduziu até os ungidos do Senhor?

Eu estava sendo envolvido por isso. Como é bom escutar uma revelação vinda do Senhor! Frequentava a oração na expectativa de receber uma mensagem de Deus através daquela irmã, sem perceber que Deus fala conosco a todo momento.

Muitas vezes não percebemos porque temos os ouvidos e olhos espirituais pouco desenvolvidos. Porque não buscamos com mais intensidade a sua Palavra e discernimento para viver o verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo.

Não estou querendo aqui limitar Deus, dizendo que Ele só age deste e daquele jeito. Nem que não devemos nos juntar em oração para falar com Deus! Pelo contrário, sempre é bom estar na companhia de irmãos orando e louvando à Deus em comunhão! O que quero dizer é que NÃO devemos ficar dependentes de homens de carne e osso como nós, com fraquezas. Isso incluiu não só profetas, mas pastores, reverendos ou qualquer pessoa, independente de seu título ou posição dentro de uma instituição religiosa que teimamos em dizer que é sempre sinônimo de igreja (essa discussão fica para outra ocasião).

É melhor confiar no Senhor do que confiar no homem. É melhor confiar no Senhor do que confiar em príncipes. Salmo 118:8-9

Deus é quem saberá se precisarmos encontrar alguém com dom de profecia ou qualquer outro dom. Ele nos enviará tal pessoa. Não precisamos buscá-los. Devemos nos manter na nossa busca por Deus.

O que você vai apresentar a Deus quando estiver diante Dele? As suas “bênçãos”? O seu carro, sua casa, sua televisão de plasma de 42 polegadas? Ele vai te cobrar o que Ele te deu ou o que você fez por Ele? Pense nisso!

Os profetas não devem lutar contra a vontade de Deus. Não devem deixar de cumprir os propósitos de Deus em suas vidas. Jeremias tentou rejeitar os planos de Deus e a moça pela qual ele tinha apreço foi morta. Para tudo que fazemos ou deixamos de fazer há consequências.

Há poucos dias iniciaram minhas aulas da Faculdade de Teologia. Um dos meus professores, o Pastor Carlos Queiroz (ou Carlinhos, como ele gosta de ser chamado), foi decisivo para o desfecho deste texto, o qual venho elaborando e reelaborando por mais de um mês.

Na primeira aula, Carlinhos nos disse que tinha vocação para profeta e nos explicou melhor qual o papel deste.

Segundo ele, o profeta é o cara que abala as estruturas da ordem religiosa vigente de sua época que estava deturpando a imagem de Deus ou até mesmo deixando Deus de fora da vida das pessoas. Não é o cara que somente recebe de Deus previsões acerca do futuro.

Relatou-nos também que o livro de Isaías, reconhecido como profeta, é composto somente de menos de 2% de versículos sobre profecias (confira).

Isso me deixou mais seguro para publicizar este texto, pois o Carlinhos, sendo professor de Teologia e bastante experiente no Evangelho de Jesus, tem muito mais conhecimento que eu, e, mesmo assim, nós dois temos um entendimento ao menos parecido sobre o papel de um profeta.

A Bíblia diz que os profetas exortam, consolam e edificam. Será que a conquista de bens materiais ou o bem em si realmente consola? Quantos ricos por aí não caem em depressão, né?

Ter uma casa maior ou um carro melhor vai me edificar, vai me levar para mais perto de Deus? Acho que o George W. Bush, mesmo sendo rico, está longe de ter comunhão com Deus!

Enfim, amados irmãos, eis aqui meu singelo texto. Aqui expus apenas alguns entendimentos pessoais, e só de chamar de “entendimentos” não se pode afirmar que são verdades, pois a percepção de vocês certamente é diferente da minha e podem ocorrer diferentes entendimentos sobre esta mesma temática.

Espero ter atingido o meu objetivo maior aqui que era o de trazer estes pensamentos para que juntos pudéssemos refletir e entrarmos num debate positivo a fim de nos tornar espiritualmente mais sólidos em Deus.

Por Bruno Goes

Anúncios

Convite para você

Publicado: 30/03/2011 em Estudos Bíblicos

Será que eu preciso falar mais algo? Acho que falta só mais uma coisa: SERÁ IMPERDÍVEL!!!

Por Marcus Queiroz (Líder e Presidente JORAE)


Algumas vezes vi pessoas agradecendo a Deus por terem conseguido comprar seus carros e chamaram isso de “bênção”.  Eu também pensava que isso era bênção, mas ouvindo uma pregação de um pastor vi o quanto estava enganado.

Nessa pregação ele diz que poder comprar carro não é bênção, é misericórdia de Deus. Depois da sua explicação eu mudei de opinião.

Todos sabemos o quanto o planeta está poluído e que por causa desta poluição o planeta está sendo morto. O principal fator desta poluição é a queima de combustíveis fósseis, ou seja, a queima de gasolina, diesel, etanol…

Achamos que carro é bênção justamente porque estamos impregnados com um princípio do capitalismo: o individualismo.

Não quero entrar na seara de discussão entre capitalismo e socialismo, nem sequer tenho conhecimento pra isso. Porém, todos sabemos que o capitalismo prega escancaradamente o individualismo.

Isso é fato, e acabamos, sem perceber, absorvendo isso. O conceito de carro como uma benção só pode ser concebido de forma individual. De forma coletiva não.

Pensando no todo, estamos colocando nas ruas mais um assassino do planeta, causador de doenças respiratórias inclusive. Então como podemos chamar de bênção algo tão prejudicial, que mata a única casa que temos e provoca doenças que mata pessoas, crianças e idosos principalmente, nos grandes centros urbanos?

Sendo o consumismo desenfreado um mal, podemos combater o mal com o mal?

Veja bem! Não estou dizendo aqui que deixemos de comprar ou almejar bens materiais totalmente! A questão aqui é sobre prioridades na vida cristã!

Em João 15:12, Jesus disse: “O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.”

Como podemos amar uns aos outros sendo apenas individualistas, sem pensar no próximo, no coletivo? Eu posso chamar de bênção algo que beneficia a mim e prejudica os outros?

Por isso acredito que poder conseguir comprar um carro é misericórdia de Deus para quem o compra, por isso deve-se agradecer muito a Deus porque, apesar de ser o carro um assassino do planeta, foi permitido você comprar para diminuir sua fadiga, para você poder trabalhar etc.

Há também muita procura de profetas para oração. Isso me faz lembrar dos pais de santo nos centro de macumba. Se em 1 Timóteo 2:5 diz que você tem relacionamento direto com Deus através de Jesus Cristo, por que procurar outra pessoa para interceder por você?

Você pode estar pensando que Deus não atenderá suas orações por causa de seus pecados, que o profeta tem andado mais com Deus que você ultimamente etc., faça como fez Daniel em Daniel 9. Ele começou a confessar seus pecados e de todo o povo de Israel e Deus prontamente o atendeu. Confesse, ore!

Deus quer que você o conheça e não que fique dependendo do conhecimento dos outros Nele para pedir por você. Você tem canal direto com Ele.

“E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.” Jeremias 29:13

….

(continua)

Obs: caros irmãos, peço que deixem para comentar após lerem o texto na íntegra com o intuito de expor melhor suas opiniões!

Por Bruno Goes


De repente, que Deus tenha misericórdia de mim se eu estiver enganado, percebi que ali não era muito diferente de um terreiro de macumba, uma casa de esoterismo etc.. As pessoas também pedem estas coisas nestes lugares. Muda apenas o direcionamento do pedido ou forma de pedir.

Você que esta lendo deve estar pensando que o direcionamento do pedido para Deus na casa de oração faz toda a diferença. Que a oração do justo pode muito e que aquela mulher é ungida do Senhor!

Analisemos aqui duas passagens do Novo Testamento: Mateus 6:31-33 e 1Timóteo 2:5.

Na primeira, Jesus nos fala sobre ansiedade e sobre prioridades da vida cristã.  O cristão deve ser sereno, ter confiança em Deus e saber esperar pelo tempo certo de cada coisa porque Ele providenciará. E acima de tudo buscar a sua Palavra, buscar os bens espirituais, pois Deus conhece suas reais necessidades (há diferença entre o que necessitamos e o que desejamos) e lhes saciará na hora exata.

Na segunda passagem, Paulo afirma aquilo que Jesus já havia dito antes em João 14:6: “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.”

Jesus nos mostra que a partir daquele momento temos relação direta com Deus. Não precisamos de outro mediador para falar com Deus senão o próprio Jesus Cristo. “Santo Fulano” ou “São Sicrano” não são intercessores entre nós e Deus. Somente através de Jesus conhecemos a Deus e podemos buscá-lo e identificá-lo.

Partindo dessa minúscula análise, eu comecei a me questionar sobre o papel do profeta nas escrituras. Percebi que os profetas sempre eram enviados em tempos de crise, quando o povo de Israel virava as costas para Deus, quando eram desobedientes, quando a iniquidade e a idolatria comiam de esmola.

Percebi que o profeta era a última solução de Deus para resgatar seu povo. Deus fala conosco através das suas escrituras. Mas quando não há mais essa observância nós não conseguimos identificar a voz de Deus nas nossas vidas. É quando se faz necessário o envio do profeta, pois os olhos e ouvidos espirituais dos homens estão atrofiados. Então, somente através da boca humana Deus pode ser ouvido.

Por isso, talvez não devêssemos nos sentir o máximo quando recebemos a revelação de um profeta. Ficamos nos achando “o” escolhido, especial, diferentes dos outros. Na verdade, isso pode estar apenas nos mostrando o quanto não escutamos Deus.

Nunca ouvi as pessoas falando sobre isso nestes lugares, informação esta que deveria ser passada, principalmente, pelos próprios “profetas”.

Deus usou aquela mulher pra falar comigo! Nisso eu creio! Mas até aonde Deus age ali? Até aonde ela deixa Deus no comando?

….

(continua)

Obs: caros irmãos, peço que deixem para comentar após lerem o texto na íntegra com o intuito de expor melhor suas opiniões!

Por Bruno Goes


Queridos irmãos, antes de discorrer sobre o tema, gostaria de deixar claro quem sou. Meu nome é Bruno e estou na caminhada desde o dia 13 de junho de 2010, quando me dispus a conhecer Deus e Jesus Cristo de verdade e, assim, a trancos e barrancos (fato este que confesso desde já, pois não é fácil nascer de novo), venho tentando. Sou apenas um “novo convertido”.

Portanto, não tenho ainda tanto conhecimento na Palavra do Senhor e, consequentemente, comunhão profunda com Cristo como a maioria que possa vir a ler este texto. Não é minha intenção doutrinar ou discipular ninguém. Tentarei expor apenas alguns pensamentos e reflexões que vêm ocupando meu ser neste caminho até então.

Ninguém está obrigado a aceitar minhas opiniões. Sinta-se livre para discordar. Porém faço um apelo: discorde fundamentando, por favor! Não deixe que sentimentos irracionais falem mais alto! Façamos disto um debate positivo! Que seja para nosso crescimento espiritual!

Bem, o tema advém de experiências que tive durante esta ainda breve jornada quando eu estava frequentando uma oração na casa de uma irmã de outra igreja. As pessoas falavam que ela era profeta, que possuía dom de profecia.

No começo, como todo “novo convertido”, me senti deslocado naquela salinha apertada e cheia de gente, mas fui orando e logo isso passou.

Naquele primeiro dia de visita eu estava angustiado, como sempre, por ter dúvidas sobre tomar uma decisão ou não, como todos nós temos. Perto do final do culto aquela mulher olhou pra mim e disse que Deus estava me mandando um recado.

Era exatamente sobre o que me dava medo e me impedia de tomar a decisão.

Naquela hora fiquei extasiado mais uma vez, pois não era a 1ª vez que algo tão específico me era revelado através de um “profeta”.

Não eram coisas genéricas como “Deus tem grandes planos pra tua vida!” ou “Deus vai te dar vitória naquela tua causa!”. Eram coisas específicas mesmo! Coisas inclusive íntimas sobre as quais não comentava com ninguém.

Continuei indo nas semanas seguintes. Mas havia algo que começou a me incomodar. As pessoas que frequentavam aquele lugar buscavam conquistas materiais.

Praticamente ninguém buscava conquistas mais espirituais e isso foi me chamando à atenção. Apenas um ou outro buscava uma cura, espiritual ou física.

….

(continua)

Obs: caros irmãos, peço que deixem para comentar após lerem o texto na íntegra com o intuito de expor melhor suas opiniões!

Por Bruno Goes

Só para líderes

Publicado: 27/03/2011 em Estudos Bíblicos

PAREM, LEIAM E REFLITAM…

Romanos 2: 17-24

“Mas tu que tens por sobrenome judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus; e conheces a sua vontade e aprovas as coisas excelentes, sendo instruído na lei; e confias que és guia dos cegos, luz dos que estão em trevas, instruidor dos néscios, mestre de crianças, que tens a forma da ciência e da verdade na lei. Tu, pois, que ensinas a outro, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? Tu, que dizes que não se deve adulterar, adulteras? Tu, que abominas os ídolos, roubas os templos? Tu, que te glorias na lei, desonras a Deus pela transgressão da lei? Como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por causa de vós.”

ATENÇÃO LÍDERES! ESTA PALAVRA É PARA MIM E PARA VOCÊ…

Por Marcus Queiroz (Líder e Presidente JORAE)


Atenção família JORAE… Em breve estaremos lançando as informações sobre a 1° Conferência JORAE em Boa Viagem – Ce. Só para deixar todo mundo com mais vontade, serão três dias, 28,29 e 30 de julho, de muita adoração a Deus onde estarão todas as células JORAE reunidas e convidadas em um só corpo e espírito. Então fique atento!! Observação: A Conferência não se restringe apenas aos membros do JORAE. Por ser um grupo interdenominacional as portas estão abertas para todos!

Além da Conferência, hoje tem reunião JORAE Fortaleza na Igreja de Cristo no Parque Araxá (ICPA) a partir das 19:30h. Você é o nosso convidado… Agora, vamos a mensagem de hoje que foi extraído do livro “A Bíblia, minha companheira”.

Uma necessidade profunda de Deus

Força. Independência. Auto-suficiência.

Soa familiar? Essas características hoje são regras em vez de exceção na cultura ocidental. Sem muita consciência disso, incorporamos uma definição de força que exclui qualquer demonstração de carência. Gente forte não precisa de ninguém para viver. Quando passam com o carro dentro de um buraco na rua, cerram um pouco mais os dentes, calam-se até a raiva passar e recuperarem o sangue frio. A chave para tudo está nas forças mental e emocional na imagem que as contém – se você parece forte, significa que chegou lá.

No entanto, pelo que vemos na vida de Sansão, aparência e realidade são coisas bem diferentes, sem sombra de dúvida. Ele tinha grande força física. Tipo de força que, na época, devia ser o mais cobiçado por homens e mulheres. A capacidade de subjugar tanto pessoas quanto animais conferiram a Sansão o status de alguém da maior importância. Mas a força física não bastou para lhe conter o apetite sexual ou a desfrutar da alegria de viver.

Sansão precisava não só da força física dada por Deus como também de sua orientação diária. Necessitava do Espírito Santo para lhe outorgar o poder de resistir à tentação, de desejar cumprir a vontade do Senhor, de evitar a gratificação instantânea em troca de opções mais satisfatórias. Mais do que ele próprio se dava conta, Sansão precisava que Deus tratasse sua fraqueza.

Somos como Sansão na carência que temos da força do Senhor. Por mais capazes que sejamos, precisamos Dele a cada dia, vivendo em nós e agindo por nosso intermédio. Necessitamos de sua coragem e esperança, de seu amor e companhia, da sua salvação. Não vivemos sem Deus.

Quando tentamos viver pela força indiferente e contida de nossa cultura, podemos mascarar nossa necessidade, mas não atendê-la. No fundo somos frágeis, todos nós. Logo abaixo da superfície temos um ponto dolorido que anseia por Deus. No dia-a-dia, cabe-nos desafiar ou não os papéis que nos foram determinados e estender os braços, na carência que sentimos uns dos outros. Cabe-nos falar da necessidade que temos do Senhor. E, meio a essa necessidade, cabe-nos clamar a ele diariamente. Não existe nada mais poderoso.

Pensem nisto

Até que ponto você tem consciência de que necessita dos outros e de Deus? É necessário reconhecer a dependência completa de Deus, assim saberá o verdadeiro sentido da vida!